quinta-feira, 15 de outubro de 2020

A mascarada eleitoral americana, edição 2020




14 de Outubro de 2020 Robert Bibeau

Em qualquer modo de produção, o poder fundamental reside na instância económica. A classe social que possui e controla os meios de produção, de comercialização e de comunicação possui e controla o poder económico, mas também o poder político, mediático, jurídico, diplomático, militar, moral e ideológico. É por terem esquecido, ou negado, esta verdade que as organizações de esquerda e de direita que se pretendiam operárias e proletárias ruíram, degeneraram, integraram-se no aparelho de Estado burguês ou desapareceram.

Assim, sob o modo de produção capitalista, a classe capitalista é a proprietária dos meios de produção, comercialização e comunicação, excepto da força de trabalho que pertence a cada empregado que não tem outra escolha a não ser vender a sua propriedade, o seu tempo de uso-trabalho para os capitalistas. Deste postulado, segue-se que a classe capitalista possui e controla o poder social nas instâncias económica, política, mediática e ideológica, excepto esta parcela do poder económico e, portanto, político, mediático e ideológico ligado à propriedade da força de trabalho. O empregado pode dispor dela e recusar-se a aliená-la, nos limites da ditadura imposta pela classe hegemónica sobre o conjunto das actividades da sociedade, mesmo quando essa ditadura leva o nome de "democracia eleitoral e parlamentar". A quem recusa as regras desta ditadura do capital em toda a vida social e no trabalho, resta apenas a marginalidade, a clandestinidade ou o submundo.

Assim, há décadas que as media a soldo dissimulam os deserdados nas áreas urbanas; apresentam os círculos mafiosos como um epifenómeno da diversidade; deixaram de dar conta das greves operárias e a burocracia sindical, quinta coluna dos ricos do movimento operário, está a fazer tudo o que pode para sabotar as lutas operárias. Finalmente, quando tudo isso não basta, o legislador, o juiz e a polícia são chamados como reforços e todo o peso da lei burguesa recai sobre o proletariado em luta e a greve é ​​regulamentada, supervisionada, contingentada, eutanasiada, interdita. Ao fazê-lo, o proletariado perde o único poder social que possui - recusando-se a trabalhar, recusando-se a produzir trabalho excedente e mais-valia -. Em vez disso, a classe burguesa e seus apoiantes políticos, a indústria de ONGs lacaias e a oligarquia sindical propõem aos proletários, expressar a sua raiva em manifestações que não paralisem a produção (o que foi feito com os Coletes Amarelos),  https://les7duquebec.net/archives/253109, para assinar petições de “delicodoces” e para votar em intervalos regulares num ou noutro dos fantoches que a máquina “democrática” dos ricos lhes oferece através de mascaradas eleitorais. Quanto mais profunda a crise, mais interminável será a panóplia de lacaios políticos.

Com as condições de vida e de trabalho dos proletários a agravar-se, as organizações políticas tradicionais, as da alternância direita-esquerda, que durante muito tempo deixaram de ser uma alternativa, estão desacreditadas a ponto de terem de ceder o seu lugar a uma força que os oligarcas existentes qualificam como “populistas” e “extremistas”, como ontem o fizeram ao qualificá-los de “fascistas”. Este fenómeno generalizado (Trump nos Estados Unidos, Le Pen em França, etc.) é a manifestação de uma modificação da dominação exercida pelo grande capital mundial (cerca de 2.400 bilionários) na sua tradicional aliança de classe com a burguesia e a pequena burguesia metódica sob o capitalismo industrial. Aliança de classe que estrutura o chamado sistema democrático de governo por ser uma condição da sua existência nesta forma, que tem a vantagem de fazer crer que o estado dos ricos é o executor da vontade popular. 1

Adicionar legenda

O primeiro gesto de insubordinação e protesto que a classe proletária dominada deve colocar é recusar-se a credenciar este fetichismo democrático-eleitoral estatal, e recusar-se a participar na governança dos poderes políticos e ideológicos, e na formatação mediática do pensamento controlado, imposto pela classe hegemónica no conjunto da sociedade.

É por isso que as primeiras organizações operárias difundiam os seus próprios jornais, organizaram as suas próprias actividades culturais, possuíam a sua própria editora e  recusaram-se a participar em mascaradas eleitorais organizadas pela burguesia para subjugar o embrionário poder político e ideológico da classe operária. Aliás, com o atenuar da crise económica, quando o movimento operário definhava sob os bailes do açúcar do grande capital, foi através dos media do proletariado, que os pequeno-burgueses infiltraram e enfraqueceram, que o movimento operário foi minado. É também através dos novos meios de comunicação emancipados que a ideologia revolucionária do proletariado renascerá.

Os proletários revolucionários acreditam que a maneira correcta de usar o seu poder político e ideológico, dentro da sociedade capitalista sob a ditadura "democrática" burguesa, é recusar-se a caucionar e recusar-se a participar de mascaradas eleitorais instáveis, essas paródias de "democracia popular", excepto para denunciá-las e demonstrar a sua inutilidade. Através dessas actividades de denúncia e decifração dessas paradas eleitorais, a classe proletária consolida a sua determinação e recusa qualquer colaboração de classe com qualquer segmento da classe burguesa (incluindo a pequena burguesia, hoje qualificada como classe média) , e assim expressa o seu desprezo pelo poder e pelas instituições capitalistas e clama pela sua abolição. Em todo caso, goste ou não da esquerda burguesa, espontaneamente a classe proletária já manifesta a sua recusa em colaborar com a sua alienação e abstém-se cada vez mais de votar. Nos Estados Unidos, durante a campanha eleitoral de 2016, 46% da população com direito a voto não compareceu às assembleias de voto, para desgosto da esquerda sectária, na sua maioria proletária. O mesmo acontecerá nas eleições de 2020.

**********

Neste artigo, descreveremos as forças presentes neste conflito interno burguês que constitui uma eleição burguesa “democrática”. De facto, em qualquer eleição, os desafios consistem em confrontar a classe dominante, sendo um deles questionar a maneira como uma secção da classe capitalista pretende usar o aparelho de estado para tentar resolver as suas dificuldades; O confronto entre monetaristas (banqueiros e corretores de acções) e fiscalistas (burocratas keynesianos) é recorrente na América. A questão pode também envolver a forma de recrutar a classe proletária para mantê-la no seio da burguesia chauvinista nacionalista em defesa da pátria em perigo (America First). Na eleição de 2016 nos EUA, um problema foi o programa de seguro de saúde dos trabalhadores do Partido Democrata, que o Partido Republicano prometeu abolir para ganhar o favor dos trabalhadores. Nas eleições de 2020, nunca foi proposto um programa completo e gratuito de serviços de saúde e segurança ocupacional, uma exigência óbvia para a classe proletária. E mesmo que um pequeno grupo da esquerda esquerdista, oportunista ou reformista (Bernie Sanders) apresentasse essa exigência, quem o saberá, quem acreditará? Pior ainda, o próprio proletariado riria daqueles esquerdistas pretensiosos que não sabem que tal programa social é impossível sob o modo de produção capitalista falido. Os trabalhadores sabem disso, enquanto a "vanguarda" não. Nos poucos países ocidentais onde tais programas foram implementados durante os trinta anos de prosperidade (1950-1980), esses chamados “ganhos” sociais são minados e liquidados.

Evidentemente, a esquerda dir-vos-á que a classe operária não existe mais e quando existe está aburguesada e corrupta e que apenas a agitada "vanguarda" pequeno-burguesa é revolucionária. Tanto quanto o modo de produção capitalista, na sua fase de expansão imperialista, produziu uma grande camada de pequeno-burgueses a seu soldo, uma abundância de intelectuais e artistas obsequiosos, uma série de aristocratas sindicais bem pagos, muitos funcionários de ONGs lacaias, uma infinidade de comprometidos com o serviço (repressivo em particular) da classe capitalista e do grande capital mundial; enquanto o sistema capitalista deve hoje livrar-se desses acólitos (não produtores de mais-valia), empobrecê-los e reenviá-los para o seio dos proletários da miséria nesta fase de declínio que se acentuou na recessão de 2008 e se acelerou com a pandemia de 2020. As classes trabalhadoras e proletárias não desapareceram dos Estados Unidos, mesmo que o seu número tenha diminuído ou tenha sido recomposto pela contribuição de pequenos burgueses desclassificados. Há 1,5 bilião de proletários na Terra e o seu número está a crescer na China, Índia e África. Apesar deste número gigantesco, o proletariado internacional não deve vender a sua alma no altar das mascaradas eleitorais.

Pessoas participam num demonstração para denunciar o assédio sexual e outras formas de violência sexual na província do Quebec, em Montreal, no dia 19 de Julho de 2020.

Quais são os motivos de uma eleição e em que princípios se baseia a democracia absolutista burguesa na maior potência económica e militar do século XX, mas que já não o é no século XXI ... o que explica a combatividade da luta eleitoral entre os campos republicano e democrata?

Analisamos o projeto estratégico e o programa táctico das diferentes classes neste contexto eleitoral grotesca. Demonstrámos a mistificação em acção em tal mascarada eleitoral e o papel das medias a soldo. Apresentámos o que está em jogo para as diferentes classes sociais e para as facções dominantes e rivais, mestres do jogo eleitoral em que a classe proletária tem apenas um papel de observadora para fazer valer, e pela qual prova ter cada vez menos interesse.

A propósito, para os proletários revolucionários não existe economia, política, cultura, moral e ideologia da "América". O que existe é a economia capitalista desenvolvida e dirigida por e para o grande capital internacional (falange americana) contra a classe proletária (secção americana) que é subjugada e alienada primeiro pelo capital nacional americano, e então pelo grande capital mundial, da mesma forma que o capital americano explora e espolia outras secções nacionais do proletariado internacional. No modo de produção capitalista, no seu estadio imperialista, o capital é mundial e o proletariado é internacional. Os restos da lealdade nacional são prerrogativa da pequena burguesia empobrecida e em breve proletarizada e da burguesia média desqualificada em vias de eliminação acelerada sob um confinamento assassino. 2

 Fonte: https://les7duquebec.net/archives/259062 

Continua na próxima semana ou aqui:

Em francês no site web de l’Harmattan  (13 euros en PDF)

HARMATTAN : http://www.editions-harmattan.fr/index.asp?navig=catalogue&obj=livre&no=59199

AMAZON : https://www.amazon.ca/démocratie-aux-Etats-Unis-Robert-Bibeau/dp/2343144672/ref=sr_1_1?ie=UTF8&qid=1521149336&sr=81&keywords=robert+Bibeau&dpID=41f0Kjchz1L&preST=_SY264_BO1,204,203,200_QL40_&dpSrc=srch




Sem comentários:

Publicar um comentário