segunda-feira, 3 de maio de 2021

Crise do esperma: os povos do Ocidente estão à beira da extinção?

 3 de Maio de 2021  Robert Bibeau 


Por Khider Mesloub.

Numa época em que o Ocidente, por instrumentalização da pandemia Covid-19, está confinado a uma atmosfera do fim do mundo, para escapar de um vírus banal cuja chance de sobrevivência para humanos é estimada em mais de 99,99%, um "micróbio bio-social" mais letal cava o túmulo desta civilização consumista que se tornou improdutiva por força dos desvios especulativos financeiros, ameaçada realmente de extinção. De facto, o Ocidente pode tornar-se totalmente infértil em menos de 25 anos.

Num livro escrito por duas cientistas Shanna H. Swan e Stacey Colino, essas autoras mostram que o número de espermatozoides produzidos em países ocidentais caiu quase 60% entre 1973 e 2011. O fluido seminal dos humanos ocidentais aumentou de 99 milhões de espermatozoides por mililitro em 1973 para 47 milhões em 2011. A este ritmo, eles preveem que esse número pode chegar a zero até 2045. Os ocidentais são uma espécie em extinção? Depois de destruir os seus meios de produção terceirizados para regiões asiáticas férteis que se tornaram as Fábricas do Mundo, os ocidentais são levados à incapacidade congénita de se reproduzir devido à falta de renovação seminal?

Uma coisa é certa: a degeneração da producção de esperma ocidental parece ameaçar a reprodução da população. Sem dúvida, a "epidemia de infertilidade" que atinge o Ocidente há várias décadas é mais letal do que a pandemia benigna do Covid-19, estrategicamente usada pelos governantes para perpetuar a sua dominação despótica para encherem as suas bolsas financeiras turgescentes de lucros.

Para já, graças à crise sanitária pandémica, para citar apenas o caso da França, a taxa de fertilidade caiu consideravelmente. Segundo o INSEE (Instituto Nacional de Estatística e Estudos Económicos), o número de nascimentos caiu acentuadamente em Janeiro de 2021 em relação a Janeiro de 2020. A redução é estimada em 13%. Num contexto de crise económica marcado pelo sofrimento psíquico e pela incerteza social gerada pela crise económica amplificada por uma gestão deliberadamente caótica da crise sanitária, essa tendência de queda demográfica provavelmente aumentará e acelerará. (Ironia do destino, o governo Macron afirma lutar contra a pandemia Covid-19 para evitar a morte de idosos e pessoas vulneráveis, os principais alvos do vírus, cuja taxa de mortalidade é inferior a 0,13%, com uma idade média de cerca de 82 anos - a idade da expectativa de vida -. Ora, mesmo tempo, no entanto, a sua gestão calamitosa privou o país de várias centenas de milhares de nascimentos. Noutras palavras, o governo Macron programa a eutanásia da população a montante e a jusante).

Esse declínio populacional também é ajudado pelo declínio e qualidade do esperma. No seu estudo, as duas cientistas, Shanna H. Swan e Stacey Colino, mostram que o número de espermatozoides produzidos nos países ocidentais caiu consideravelmente. Entre as causas citadas que contribuíram para a alteração do esperma, as autoras culpam a presença no corpo humano de certos produtos químicos com efeitos nocivos sobre a fertilidade. Para essas duas autoras científicas, são os produtos químicos quotidianos que existem em embalagens de alimentos, brinquedos, cosméticos, pesticidas que afectam o sistema endócrino. Além dos factores de stress e obesidade inerentes ao modo de vida ocidental, essas autoras visam principalmente os disruptores endócrinos, moléculas que actuam no equilíbrio hormonal.

Nesse sentido, os ftalatos e o bisfenol A são identificados como responsáveis por ambas as autoras "porque fazem o corpo humano acreditar que tem hormónios suficientes - testosterona ou estrogénio - e, portanto, não precisa de fabricar mais". Além disso, o tamanho e a forma dos genitais seriam afectados de forma duradora.

Numa recente entrevista ao jornal britânico The Guardian, datada de 28 de Março de 2021, uma das duas autoras, Shanna Swan, professora de medicina ambiental e saúde pública na Mount Sinai School of Medicine, em Nova York, corroborou o seu estudo afirmando: "Os ftalatos reduzem os níveis de testosterona e, portanto, têm uma influência particularmente má no lado masculino, por exemplo, fazendo com que a contagem de espermatozoides diminua. O bisfenol A, por outro lado, imita o estrogénio e, portanto, é particularmente prejudicial no lado feminino, aumentando o risco de problemas de fertilidade. Mas também pode fazer cair a qualidade do esperma, a libido e provocar taxas mais altas de disfunção eréctil. »

Para esta cientista, a exposição a múltiplas substâncias nocivas começa antes do nascimento, durante a fase fetal: "Grande parte da exposição a esses materiais ocorre no útero, quando o feto se forma pela primeira vez. Os efeitos continuam na infância, adolescência e idade adulta. É um fenómeno cumulativo: um feto feminino, no útero, já está a desenvolver os ovos que usará para ter os seus próprios filhos. »

Outros cientistas apontam o calor como um factor na alteração do esperma. De facto, a produção de esperma é muito sensível à temperatura. O esperma deve ser preservado a uma temperatura entre 33-34 graus Celsius. Qualquer aumento anormal na temperatura testicular faz com que a espermatogênese desacelere ou até pare. E os cientistas culpam os jeans que são muito apertados, usados pela maioria dos homens nas últimas décadas, da infância à idade adulta. Além disso, a dieta industrializada também é um factor na deterioração da qualidade do esperma e diminuição. Sem mencionar o tabaco. O tabagismo causa a quebra dos vasos sanguíneos no trato genital masculino, promovendo assim a destruição irreversível da produção de espermatozoides. O álcool também deve ser adicionado. Da mesma forma, a vida sedentária, acentuada pelo uso constante do carro que obstrui, sem trocadilho, a circulação de sangue.

Sem dúvida, a revolução industrial e a indústria petroquímica são responsáveis pelas modificações genéticas induzidas pela ingestão de muitos compostos químicos que afectam permanentemente os hormónios, principalmente o estrogénio e a testosterona. Segundo a professora Shanna Swan, sem uma mudança significativa no estilo de vida consumista tóxico, "a maioria dos casais poderia usar a reprodução assistida em 2045" para garantir parcialmente a sobrevivência da população ocidental. Eventualmente, sem a aniquilação do modelo económico capitalista genocida, os países ocidentais poderiam desaparecer.

Assim, a economia capitalista ocidental infecta, depois de ter varrido muitas civilizações milenares (ecológicas) por causa dos seus empreendimentos productivistas genocidas, está a destruir o planeta através da sua exploração desenfreada de recursos fósseis, completa o seu "progresso civilizacional" através do seu suicídio colectivo (os primórdios que podemos observar com a eutanásia económica e humana iniciada graças à pandemia de Covid-19), ou seja, pela aniquilação da sua fonte de vida, o seu líquido seminal seco pela força da contaminação química. Sem dúvida, a producção capitalista tóxica padronizada gera mais comorbidades e patologias sociais, causando mais mortes do que o coronavírus banal. Claramente, a "intóxidentalização" do mundo corre o risco de conduzir a espécie humana ao seu aniquilamento

Se a humanidade deve trabalhar urgentemente na sua vacinação, é contra o vírus do modelo mórbido ocidental, contaminado pelo veneno capitalista letal.

Khider Mesloub  

Fonte: Crise « spermatozoïdale » : les peuples d’Occident sont-ils en voie d’extinction? – les 7 du quebec

Este artigo foi traduzido para Língua Portuguesa por Luis Júdice

Sem comentários:

Publicar um comentário